Paulão e as muambas de sex shop



Paulão era uma mula, não no sentido pejorativo, mas mula do tipo que viajava aos Estados Unidos umas duas vezes durante o ano para trazer muamba. Naqueles tempos em que jogar aviões em torres gêmeas era cena de ficção, Paulão trazia tudo da terra do tio Sam. Celulares, bonecas, peças de computador, roupas, óculos e, teve uma vez, que trouxe uns 30 pênis de borracha. Sim, ele cruzou os ares carregando réplicas do aparelho sexual masculino, para ser mais didática.

Entre tantos pedidos que recebia, certa vez foi procurado por uma dona de sex shop que deixou com ele uma listinha onde constavam as seguintes solicitações:

1. Pênis negro tamanho GG;
2. Pênis nipônico tamanho único;
3. Pênis duas cabeças;
4. Pênis rosa;
5. Pênis albino;
6. Pênis com espinhos para os sadomasoquistas;
7. Pênis 30 centímetros, lembre-se lá é polegada;
8. Pênis 10 centímetros para iniciantes na arte sexual;
9. Pênis vibradores com velocidades 5, 10 e 50.

Chegando aos Estates, Paulão foi à busca da encomenda. Na loja, ficou perdido entre seu inglês meia boca e a dúvida entre os centímetros do Brasil e a polegada americana:
_ No, no!
E fazia sinal de dois palmos para que a vendedora entendesse o tamanho que ele queria.

Resolvido os problemas, encheu a mochila com quase 30 pênis de toda espécie.
Partiu para o Brasil e ao aterrissar no Aeroporto Internacional do Rio de Janeiro, caminhou receoso para Alfândega. Com as mercadorias na mochila que havia trazido como bagagem de mão, sentiu um frio na barriga quando o aparelho da fiscalização apontou uma irregularidade.

De repente, caminhou em sua direção uma mulher que lhe pediu educadamente:
_Por favor, senhor, abra a mochila!
Ele abriu.

A mulher, do lado de lá, foi tirando todos os pênis que ela já mais ousou imaginar na vida. Desesperadamente séria, olhou para Paulão, um sujeito moreno, forte e pançudo, que não tinha a menor pinta de gay.
Ao lado dela, três colegas da Alfândega se afastaram da cena para rirem à vontade daquela situação. Um deles, apenas disse:

_ Resolva a situação, Abigail!

Então Abigail olhou para Paulão e fez a pergunta básica:
_ O que é isso, senhor?

Paulão engoliu a masculinidade e disse com a voz fina:
_ É para uma festinha na minha casa. São para uso pessoal!

Abigail, com um sorriso irônico, pensou o que aquele sujeito aprontaria com tantos pênis, mas ponderou:

_ Como o senhor faz isso comigo? Se eu te libero, posso ter problemas, se não libero, meus colegas de trabalho ali vão dizer que eu prendi o pinto! O que eu vou fazer?

Percebendo que a profissional estava menos séria, Paulão insistiu:
_ Ô Abigail, libera aí pra mim Abigail!  Eu vou usar lá em casa numa festinha de Halloween.

_ Cada uma que me aparece! Coloca isso na mochila e vai embora fazer sua festinha.

Paulão encheu a mochila novamente, olhou para rapaziada da Alfândega e deu uma piscadela.

Em Belo Horizonte, comentou com a cliente:
_ Esta muamba me custou a honra! A honra!



First
0 Comentários

Gostou do texto? Deixe sua opinião: