Sobre atravessar o escuro


 Às vezes nas noites escuras mais infindáveis, atravessamos o breu na sensação de solidão. Olhamos em volta e não encontramos as luzes do caminho, tateamos em busca de outras mãos que não estão, gritamos tendo apenas como companhia nossos próprios ecos. É no momento de silêncio e dúvida, que experimentamos a dose exata do que somos: nossos medos, erros e limites. Há alguém que possa entendê-los? Há alguém que queira, ao menos, compreendê-los? Não me interessa. Continuo. Persisto. 
2 Comentários
avatar

Cristiane, tua escrita encanta. Parabéns!

Balas
avatar

Obrigada, Adriana! Seja sempre bem-vinda! ☺️

Balas

Gostou do texto? Deixe sua opinião: