Olhos de viajante



Pela janela desse carro que cruza rodovias eu vejo paisagens centenárias. São velhas casas perdidas entre novas estradas. Os pastos são verdes, as árvores esparsas, e ao lado de algumas delas, pequenos currais de vacas magras.

Enquanto o automóvel avança pela estrada eu contemplo a vida que corre lá fora. É uma cena de filme que me fala de multiplicidade. Centenas de gentes, com vidas tão diferentes, vendo de suas casas, carros passarem.

Afinal, quem inveja quem? Os moradores próximos às BRs que também desejam viajar? Ou os viajantes que desejam morar debaixo daquelas árvores?

A vida seguindo nessas estradas sem fim, onde caminhos que se cruzam mostram as diferenças, mas também valorizam as insignificâncias. É assim que me sinto diante de tudo: olhos de uma mãe que aprecia o filho a sorrir, olhos de quem lê uma carta de amor, olhos de quem vê a vida passando pela janela. Um olhar profundo diante de janelas coloridas!

Ah, mas como eu também gostaria de ser o alguém que mora nessas casas à beira da estrada de um jeito perfeito que só o meu pensamento aceita. Ah, como eu gostaria de ser essa pessoa que viaja vendo a doce vida. Deixando para trás, ao som de Bob Dylan, imagens de felicidade, registradas em livros de fotografia.


0 Comentários

Deixe seu comentário aqui:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...