Reflexões sudoríparas

Era um reunião séria. Assunto sério. Organização e tal e coisa e tal. Eu então, diante de dois gordinhos imensamente suados. Segundo eles, andaram um pouco mais do que o esperado e o calor estava muito; mesmo para uma modelo de passarela, o que dirá para dois homens de cento e tantos quilos.
Atenta ao suor que brilhava em suas testas, não percebia quase nada do que falavam. Entre bocas que se movimentavam, conseguia só analisar o suorzinho que descia teimoso sobre a fronte deles.
“Por que não pediram para usar o banheiro antes?” Fiquei pensando. Lá dentro, eles pegariam o papel toalha, cerca de 05 folhas, para dar conta do recado e secariam aquelas cabeças, testas, frontes que mais pareciam panelas de pressão cozinhando feijão.
Vez ou outra, um deles passava a mão e secava por debaixo da mesa. Fiz que aumentaria a potência do ar-condicionado, mas achei que eles  poderiam se constranger. Às vezes eu balançava a cabeça, para dar aquele ar de que estou entendendo tudo, mas era difícil não pensar numa grama orvalhada ao observar a cabecinha do mais careca.
De repente, quando já pensava em oferecer uma toalha, uma voz saída não sei de onde, me interrogou:
_Entendeu nossa proposta?
Olhei bem nos olhos do interlocutor, que era a única coisa que não suava nele, e disse:
_Você já ouviu falar de uma operação feita na axila?
_ Quê?!
_Eles retiram uma glândula responsável pelo suor excessivo, que já me disseram, fica na axila. Dá resultado! Pelo menos foi o que me falaram...
Depois disso, os gordinhos sumiram. Não quiseram saber mesmo se a proposta seria viável e tal. Saíram, com fisionomias nada simpáticas, com suas camisas de botão cobertas por círculos de suor. Muito suor! Deus, como suavam!!
0 Comentários

Deixe seu comentário aqui:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...